Austeridade, qual Austeridade? IX

Der Terrorist

[Na Sábado]

O Banco de Portugal aceitou vender a Finangeste, uma empresa que valia 62 milhões de euros, por 35 milhões a uma firma com 4 mil euros de capital.
Dez dias depois, a H.I.G. Capital, uma firma de investimento baseada nos Estados Unidos que gere um património de 17 mil milhões de euros, anunciou a compra de duas carteiras de activos imobiliários à Finangeste, compostos por 77 imóveis e 114 empréstimos garantidos, com um valor facial de 110 milhões de euros.

Duarte Schmidt Lino, um dos accionistas da compradora-logo-vendedora Finageste, escrevia a meias um blog com Pedro ‘vem emigrante’ Lomba, secretário de Estado adjunto do ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional, Poiares Maduro, e é accionista e vogal do conselho de administração do Observador, o jornal da direita com swag.
Como dizem os pantomineiros de direita quando a conversa não lhes agrada, “se o senhor tem alguma suspeita ou sabe de alguma coisa participe à Procuradoria-geral da República”.

Leave a Comment

Filed under "Liberais" a funcionar, Corrupção, Negócios à Portuguesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *