Colaboracionistas cobardes há muitos

Fernanda Câncio, «Como os bandidos», Diário de Notícias, 10 Abril 2015
Diz então a IGAI que houve “abuso de poderes funcionais” por parte dos agentes. Enumera: “empunhar o bastão com o cotovelo acima do ombro” (dando balanço); bater na cabeça (e até na cara, num dos casos reportados pelo relatório); conduções ilegais a esquadra “para identificação”; colocação de pessoas, nem sequer detidas formalmente, em celas; etc. Menciona por exemplo um bombeiro que, indo para o trabalho, foi apanhado na confusão e acabou cinco dias no hospital e uma jovem de 17 anos que diz terem-na obrigado a despir-se integralmente e a pôr-se, nua, de cócoras (fez queixa ao DIAP, que arquivou), entre outros. Conclusão da IGAI: se a conduta dos agentes em causa “mereceria certamente censura e ação disciplinar”, como “as caras estavam escondidas pelos capacetes e viseiras” nada se pode fazer. O mesmo quanto às nove pessoas que alegam ter sido agredidas na casa de banho da esquadra do Calvário por “agentes embuçados”: “Uma agressão poderia produzir gritos e estes seriam ouvidos pelas muitas pessoas que estavam na esquadra”, cita o Sol. Mas “mesmo que houvesse prova, os seus autores não poderiam ser reconhecidos” – estavam embuçados, então. O jornal resume: “Tudo arquivado.” Pode acrescentar-se: batam, prendam ilegalmente, torturem, desvirtuem por completo a vossa missão, envergonhem o vosso uniforme, senhores polícias. Desde que ninguém filme e tapem a cara, da IGAI (que também pode pintá-la de preto, já agora) não esperem castigo.

 

Leave a Comment

Filed under Guerra de Classes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *